domingo, março 08, 2009

Leandro vai pro Liverchopp com seu amigo Igor, de carona. Chegamos lá, bebemos uns chops e nosso amigo Nelsin chega. Ficamos lá um certo tempo, até que resolvemos ir embora.
Resolvi voltar de carona com o Nelsin. Quando fomos em direção ao carro, um flanelinha vem em nossa direção e fala algo do tipo "O brinquedo assassino não sai da minha cabeça.". Ouvindo isso, acabei falando "Cuidado com esse brinquedo, irmão.". Foi aí que ele manda a clássica pergunta: "Vocês tão de carro aí? Tem como dar uma ajuda pra mim?". Eu tiro do bolso uma nota de 2 e uma moeda de 25 e entrego esta última pra ele: "Cara, é a ajuda que eu posso te dar agora.". Ele olha a moeda, meio indignado, olha pra nota de 2 em minha mão e manda: "Po chefe, me arruma essa nota de 2 reais aí. Eu saí da prisão agora, to precisando de uma ajuda, pra não voltar pro crime, sabe? Tá aqui meu alvará de liberdade." Ele enfia a mão no bolso e tira um papel todo dobrado e esfarrapado. Só de ver o cabeçalho peculiar e a formatação de uma sentença judicial, já entreguei a nota de 2 pra ele e disse: "Beleza, irmão, toma aí. A gente tem que dar apoio mesmo. Fica na paz aí. Boa sorte."
O cara agradeceu e eu voltei pra casa com meu rim intacto.

Antigo postem no outro mais acima :P



0 Comments:

Postar um comentário

<< Home